segunda-feira, 29 de junho de 2009

O que tem o Marylin Manson?!


Decidi criar esse post pra tentar entender o inintendível. O que de tão bom tem essa criatura?
Porquê eu pergunto isso? Ora, simples... o cara consegue pegar as mulheres mais lindas do mundo \o\
Tah, as mais lindas naum... mas pega espécimes magníficos!
Duvidam?
Dá uma olhadinha na Ex dele:


Essa é a Dita Von Teese, uma pin up pós moderna que assina uma grife de lingeries. A moça é linda e foi casada meesmo com ele... se ainda duida, olha aki:


É, e o magnífico ser mais bizarro da história musical não parou por aí. Depois de ter deixado a morena, casou-se com a loirissima (que atualmente está ruiva) Evan Rachel Woods:


Novamente, eu não estou brincando... eles, não sei se ainda estão casados, mas me parece que sim, e ela estranhamente dá umas aparências da Dita não acham?
Vejam uma foto da mocinha acompanhada:


É... isso poderia até dar um filme... As Belas e a Fera.
Mas enfim... rapazes, antes de descabelarem-se, usarem lentes e se deformarem em prol de auto-sexo, façam comigo uma análise.

Uma coisa é fato, Manson definitivamente não chama atenção por sua beleza praiana e seus olhos brilhantes, ele é feio in natura e faz toda questão de ficar ainda pior. Por dinheiro eu não diria, tem homens mais ricos, menos feios por aí, essas mulheres são estonteantes.
O que seria então?!
Seria o Manson praticante de um novo tipo de sexo completamente enlouquecedor? Um charme especial? Lábia irresistivel?!
Bem, ele tem uma certa... sensualidade... que pude perceber em alguns clipes góticos. Pra quem curte o goticismo e não se importa com aquelas parafernalhas todas, ele tem uma voz rouca interessante e um olhar gélido que acaba penetrando (Vide clipe Tainted Love). Inclusive, essa música fikou super sexy na voz dele.
Ele é meio poser, talvez timido demais, tenho pra mim que usa tudo aquilo pra se liberar mais. Ele é bastante inteligente, vi umas entrevistas legais com ele e tals... talvez seja isso... um bom papo.
Ou talvez as meninas sejam instigadas a experimentar algo completamente fora do normal.

Enfim, o charme e sensualidade independem da beleza, oq no caso dele independe tbm do bom senso, e se ele algum dia quiser me fazer uma visitinha... não que eu vá querer casar com ele, mas ao menos vou perguntar seu segredinho particular!
Letrinha de Tainted Love pra acompanhar ;]

Sometimes I feel I've got to
Run away I've got to
Get away
From the pain you drive into the heart of me
The love we share
Seems to go nowhere
And I've lost my light
For I toss and turn I can't sleep at night

Once I ran to you (I ran)
Now I'll run from you
This tainted love you've given
I give you all a boy could give you
Take my tears and that's not nearly all
Tainted love
Ooh...Tainted love

Now I know I've got to
Run away I've got to
Get away
You don't really want IT any more from me
To make things right
You need someone to hold you tight
And you'LL think love is to pray
But I'm sorry I don't pray that way

Once I ran to you (I ran)
Now I'll run from you
This tainted love you've given
I give you all a boy could give you
Take my tears and that's not nearly all
Tainted love
Ooh...Tainted love

Don't touch me please
I cannot stand the way you tease
I love you though you hurt me so
Now I'm going to pack my things and go
Touch me baby, tainted love
Touch me baby, tainted love
Touch me baby, tainted love
Touch me baby, tainted love

Once I ran to you (I ran)
Now I'll run from you
This tainted love you've given
I give you all a boy could give you
Take my tears and that's not nearly all
Tainted love
Ooh...Tainted love
Ooh...Tainted love
Ooh...Tainted love

Harajuku Fashion Days

Os japoneses adoram inventar moda, talvez por isso eu goste tanto deles. Não que eu seja uma fashionista, nem passo perto, mas adoro estar interada das coisas e 'rocking around blogs' descobri mais uma peculiaridade sobre as mocinhas japonesas de Harajuku.

Com a popularização da cultura alternativa em São Paulo, os emos, punks de boutique e góticos se tornaram cada vez mais numerosos nas ruas e em baladinhas alternativas, gerando polêmica com seus estilos "exagerados", devido às extravagantes roupas, penteados e acessórios utilizados.

Porém, este choque cultural parece pequeno para quem já ouviu falar de um outro tipo de movimento , que nasceu em Harajuku - uma popular área ao redor da Estação Harajuku, do Município de Shibuya, em Tóquio, Japão.



Nesta região, todos os domingos, cerca de dois mil adolescentes se reúnem para desfilarem figurinos que parecem ter saído de histórias futurísticas, quadrinhos de mangá ou de lojas de brinquedos. Por lá, circulam diferentes tribos e estilos, que fizeram este bairro japonês ficar famoso ao redor do planeta.

Os Harajukus, como é chamado essa "tribo"(odeio essa expressão.Parece o jeito como gente velha tenta rotular um grupo de amigos), atraem turistas, jornalistas e fotógrafos. O seu estilo de se vestir já inspirou artistas, cineastas, cantores e estilistas dos mais diferentes países, inclusive os brasileiros.

Cabe ressaltar que no Japão isso é mil vezes mais chocante do que aqui: a cultura e a educação rígida,restrita e tradicional desde a Segunda Guerra,forçava os jovens a estudarem muito e trabalharem cedo.Não havia tempo ou permissão para se expressar,eram todos contidos numa única massa.O J-rock e o visual eram um método de eles saírem da mesmisse,do geral,para serem invididuais,únicos.E isso é bem visível em sua moda.

Foi na década de 90 que a moda de rua começou a expressar as reais vontades e gostos dos adolescentes asiáticos, que elegeram como ponto de encontro uma região repleta de lojas sofisticadas, chamada Harajuku - nome que ganhou graças à movimentada estação de trem homônima, abrigada em seu território.

Em suas imediações estão reunidas as novidades mais criativas dos estilistas, tatuadores, pintores e cabeleireiros locais. Nas calçadas acontecem performances de artistas urbanos independentes, que atraem os olhares de curiosos e transeuntes. Estas atrações começaram a aparecer como resultado do hobby de alguns estudantes que se encontravam no local aos domingos, buscando algum tipo de diversão.

Quem acha que o visual Harajuku se restringe apenas aos nossos amigos de olhos puxados do outro lado do mundo, engana-se. Essa vitrine viva que ocupa as ruas do tradicional bairro japonês, atualmente, estão nas principais passarelas da moda.

Enquanto no Japão a marca "A Bathing Ape" é a preferida entre os harajukus e adeptos do estilo "streetwear", no mundo ocidental personalidades famosas como Bobby Gillespie, do Primal Scream, Ian Brown, do Stone Roses, Pharrel Williams e Puff Daddy incrementam seu visual com assessórios da mesma grife.

No Brasil, a tendência japonesa também ocorre entre os profissionais da moda. A marca de sapatos "Zowie", por exemplo, com sede na Galeria Ouro Fino, em São Paulo, produz calçados sob encomenda. Quem estiver disposto a desembolsar uma quantidade alta por uma peça única, extravagante e bem no estilo do que as meninas japonesas vestem, o ideal é dar um pulo na loja para conferir.

A marca de sapatos Melissa, também se rendeu à moda do famoso bairro japonês. As coleções da grife têm fortes referências à moda oriental. Serão sandálias de papete, com grandes plataformas, cores fortes e até com cheiro de chiclete e bala.

Nas passarelas internacionais, o estilo inusitado dos freqüentadores de Harajuku também foi destaque em alguns desfiles. O estilista Marc Jacobs usou em suas últimas coleções sobreposições criativas e multicoloridas, inspiradas nas ruas do bairro japonês.

E então,comofas?

Em Harajukku, misturar estilos diferentes e cores e padrões que não combinam são práticas encorajadas - você pode fazer o que quiser, enquanto sua vestimenta for a expressão sincera de sua individualidade.

No Brasil, a tendência japonesa também ocorre entre os profissionais da moda. A marca de sapatos "Zowie", por exemplo, com sede na Galeria Ouro Fino, em São Paulo, produz calçados sob encomenda. Quem estiver disposto a desembolsar uma quantidade alta por uma peça única, extravagante e bem no estilo do que as meninas japonesas vestem, o ideal é dar um pulo na loja para conferir.

A marca de sapatos Melissa, também se rendeu à moda do famoso bairro japonês. As coleções da grife têm fortes referências à moda oriental. Serão sandálias de papete, com grandes plataformas, cores fortes e até com cheiro de chiclete e bala.

Nas passarelas internacionais, o estilo inusitado dos freqüentadores de Harajuku também foi destaque em alguns desfiles. O estilista Marc Jacobs usou em suas últimas coleções sobreposições criativas e multicoloridas, inspiradas nas ruas do bairro japonês.

E então,Nena,como fazer?

Em Harajukku, misturar estilos diferentes e cores e padrões que não combinam são práticas encorajadas - você pode fazer o que quiser, enquanto sua vestimenta for a expressão sincera de sua individualidade.

Uma das marcas de Harajuku é a sobreposição. Casacos, vestidos, jaquetas sobre camisetas ou blusas, vestidos com calças, e por aí vai. Vestir roupas em camadas (ou dar a aparência de camadas ao usar roupas com babados, por exemplo) permite que você misture uma grande variedade de estilos, o que dá mais dimensão a sua vestimenta.

O estilo Harajuku não termina nas roupas. Tranças e outros penteados "bonitinhos" são populares, assim como tingir os cabelos. Maquiagem criativa, teatral pode ser uma adição divertida.



Os estilos mais famosos são:

Kigurumi são os "pijamas" bonitinhos. Muitas vezes trazendo a forma de personagens de animes infantis.

O estilo Decora traz cores brilhantes, exuberância e acessórios dos pés a cabeça. Você se decora com brinquedos plásticos e joalheria, e não é incomum escutar os penduricalhos batendo uns nos outros enquanto a pessoa anda.

Wamono significa misturar roupas tradicionais do Japão com moda ocidental.

Gothic Lolita usa roupas criando a semelhança de uma boneca da era vitoriana. Delicadeza é uma das palavras-chave para o estilo.

Visual K é o estilo em geral dos músicos,que faz uma mistura de tudo;Existem várias subcategorias desse estilo.

Enfim,a chave é se divertir e mostrar o que você é,independente do que os outros podem achar.

sábado, 27 de junho de 2009

Minha paixão por Aaron

As poucas pessoas que me conhecem desde sempre sabem que eu não vivo sem uma paixão pra embalar meus suspiros. São faces e faces, de meninos e até algumas meninas, que invadem minha mente por um tempo longo ou frívolo, mas sempre deixam marcas, aquelas marcas, inesquecíveis e tão necessárias, como cada pedacinho em um castelo de cartas.
Apesar do assunto do momento ser a morte do Michael, de quem falarei assim que me recuperar dessa perda, vim falar de uma de minhas antigas e eternas paixões.
O Aaron.
Eu nem me lembro mais de quando comecei a gostar dele, ele era popular, muuuito popular, conhecia por outras pessoas e o achava inegávelmente interessante, mas nada tão importante.
Não sei como, quando, nem sei por que, mas meu interesse naquele garoto foi crescendo absurdamente e quando vi já não podia mais viver sem ele. Não era só pelo que ele representava pra todos, mas em especial pelo que representa até hoje pra mim. Ele é inegavelmente lindo, sempre foi. Seus olhos são de um azul sem igual, quando os olho pareço afogar-me em um oceano sem precisar de oxigênio, sem querer voltar. Seus bastos cabelos negros emolduram de forma perfeita seu rosto bem traçado de pele morena, e todo seu corpo eh recoberto por um charme único. Homem como esse, nenhum outro!
Minha paixão pelo Aaron é doce, se ele tivesse mais perto, confesso, seria uma obcessão. Ele me causa uma emoção tão grande que o coração de tanto bater me pressiona os pulmões e os faz querer liberar pra minha garganta um berro de amor. Mas ele é inalcançável, intocável, uma paixão platônica e sem jeito. Uma paixão que perdeu pro tempo.
Me contento com o que posso ter dele. Uma piscadela direta pra mim, algumas fotos que me fazem suspirar até não ter mais fôlego... e sua voz... sempre a sua voz.
Se houvesse algum jeito, eu fiaria com o Aaron, com toda certeza. Não sei se seria bom, ou se duraria, mas um momento com ele seria suficientemente eterno pra me fazer a mulher mais realizada desse planeta.
É... e assim Aaron... saiba de todo meu amor por ti. Saiba o quanto gosto de vc, Elvis Aaron Presley.

-> Ataque de fã é uma coisa neh?! xD~

Can't Help Falling in Love

Wise men say, only fools rush in

But I can't help, falling in love with you
Shall I stay? Would it be a sin
If I can't help, falling in love with you?

Like a river flows, surely to the sea,
Darling, so it goes somethings are meant to be.
Take my hand, take my whole life too.
For I can't help, Falling in love with you

Like a river flows, surely to the sea
Darling so it goes, somethings are meant to be
Take my hand, take my whole life too.
For I can't help falling in love with you.

For I can't help falling in love with you.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

O famigerado caso do picolé

Hoje foi um daqueles dias conquistenses estranhos, estávamos num frio absurdo, entrou o inverno e o sol apareceu forte e faceiro, aproveitamos, eu e minha irmã, pra torrar nosso suado dinheirinho em um magnífico sorvete gigante cheio de enfeites.
A sorveteria estava lotada, como imaginei que estaria, várias famílias com suas crianças melecadas até a alma e os eventuais muleques pedintes que me irritam e penalizam ao msmo tempo.
Quando já degustávamos nossa montanha de sorvete numa taça laranja me chega uma família típica, normal, classe média, pai, mãe e uma filhinha de uns 3 ou 4 anos... e assim o caso começa.
Desde que chegou a menininha vinha pedindo:
_Mamãe, eu quero um picolé.
E ainda arrematando:
_Eu amo picolé!
Os pais sem dar ouvidos a pobre criança escolheram trazer sorvete pros três... e a garotinha insistia:
_Mamãe, eu quero picolé, traz um picolé pra mim?
Depois de muito falar o pai soltou um leve:
_Mamãe vai trazer uma bola de sorvete de chocolate numa taça amarela pra vc!
Oq a menina arrematou com um:
_Mas eu quero picolé.
Que nem sequer foi ouvido pelo pai. A menina foi se distraindo com ourtas coisas, com as brincadeirinhas do pai e a mãe voltou com o pedido dela, uma bola de sorvete de SONHO DE VALSA com cobertura de MORANGO numa taça AZUL.
Eu senti no rosto da garotinha a decepção... foi doloroso ver.
Enquanto o pai tentava empurrá-la goela abaixo aquele sorvete que (pela primeira vez, sendo um sorvete) chegava a ser asqueroso, e a menininha brincava, fugia... quando viu a calda de morango chegou a dizer:
_Tira esse negócio vermelho daí...
Ao que o pai 'sabiamente' insistiu:
_É gostoso, parece batom, come pra vc ver, confia no papai.
Confiar num papai que nega um picolé de 40 centavos é meio complicado pra uma garotinha de 3 ou 4 anos... Poderiam ter-lhe dado um picolé de figo que ela chuparia no maior gosto do mundo... Vez ou outra ela ainda pedia à mãe o seu picolé que ela tanto amava... tentou cantar, chorar, implorar, tudo pra ter seu picolé... mas continuavam-lhe empurrando sorvete... Até que ela se emburrou de verdade e num quis mais nada.
É... coisas assim podem traumatizar uma pessoa para sempre...
Quando seus filhos pedirem picolé... deem a eles o picolé... é mais barato, suja menos, dá menos trabalho e os enche de felicidade...
A pobrezinha nunca mais vai querer sorvete...

-> O mais legal é que esse fato eh mesmo verídico!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Fogo

É época de festa, véspera de São João. Na rua pipocos estouram alto escancarando a felicidade alheia e reforçando meu fracasso.
A fumaça vai me envenenando aos poucos, me fazendo tossir todo o resto de empolgação enquanto ouço a voz irritada de minha mãe me falando de mais algo que não fiz. A apatia me amarga cada célula da garganta, como se eu regorgitasse minha propria bílis a cada segundo.
Quando estou quase atingindo o fundo de um poço depressivo, minha mente me prega peças. Começo a ouvir o miado de minha gata ao longe, bem ao longe, sufocada pelos estouros dos fogos. Decido seguir para a rua, pra ver onde ela está. Abro o portão num ranger caracteristíco do ferro corroído pela ferrugem e sigo pela rua escura, me guiando pelas iluminações da fogueira da rua adjacente no asfalto negro. A gata mia mais alto, ou talvez eu esteja mais perto.
Por algum motivo que não conheço, um medo em mim vai crescendo vertiginosamente, os olhos começam a embaçar e arder pela fumaça expessa. Olho pra cima e não consigo ver a lua, ou estrela alguma, as nuvens cinzentas iluminadas pelos postes da cidade tomam um sinistro ar alaranjado fosco e desnatural.
Ao virar a esquina meu medo dá lugar a um terror instantâneo, vejo ao longe o que identifico ser minha gatinha presa a cordas acima de uma fogueira grande, miando alto com medo das chamas que queriam se aproximar pra lamber-lhe as patas. Instintivamente corro para salvá-la, cato um caco de telha afiado no chão e começo a rasgar as cordas.
Não são cordas, são pedaços de fita isolante enroladas, cortam fácil, porém enquanto me debruço em direção a ela as chamas se aproximam de mim, esquentam. Começo a sentir a pele arder, formar bolhas no colo, pescoço e braços. Consigo soltá-la, ela foge assustada, mas eu não tenho a mesma sorte. Em caso de segundos me vejo cercada de labaredas na altura de meus olhos, se apoderando de meus cabelos e se desfazendo de minha pele tão rápido que nem posso sentir, a carne torra e começo a ver já pedaços de meus próprios ossos... é insuportável, eu desmaio.
Acordo completamente sufocada, com o cobertor enrolado em meu pescoço. Percebo o ar condicionado quebrado num calor de 43º e a gata miando pra que eu abra a porta... maldito sonho...

-> Inspirado nos sonhos malucos da Dilli.

Outros tantos passarão... eu, passarinho.

Há no ser humano uma grande necessidade de companhia, sendo que no fim estaremos sempre sozinhos.
No caixão só tem espaço pra um, mesmo que as gavetas sejam compartilhadas, no fim vai ser só vc, por um tempo sua carne putrefa, seus ossos expostos, seus cabelos imortais e o além.
Antes que esse papo fique demasiadamente mórbido, digo-lhes caros amigos que estou omeçando a me acostumar com a solidão.
Não, num tô emo, gótica, depressiva, suicída ou sinônimos, eu só to... crescendo, eu acho. Deve fazer parte de envelhecer... ser mais forte, independente, isso traz conforto, mas leva parte do brilho de ser jovem. É ser menos água e mais pedra.
Eu não vejo isso como de todo ruim. A água tem tantas qualidades e defeitos quanto a pedra, só são diferentes e é superior saber perceber as diferenças entre os divergentes.
Nenhum homem eh uma ilha, é fato, mas não dá pra fazer de suas companhias seus pilares. Contar sim com um punhado de boas amizades e dois de bons conhecidos, alguns familiares mais queridos, ou todos se tiver sorte e algum hobby que o arranque sorrisos durante o dia.
Eu amo meus amigos, não saberia viver sem eles, mas to aprendendo a me bastar, já que na maioria de meu tempo, que é todo livre, eles não podem estar comigo. As vidas deles são engrenagens imparáveis enquanto a minha é movida a corda, lenta e unusual.
Mas não é ruim... minha vida é boa, apenas precisa de reparos... urgentes se possível.
Enquanto não tiver doendo... pra mim tá bom.

É, me esqueci da luz da cozinha acesa
de fechar a geladeira
De limpar os pés,
Me esqueci Jesus!

De anotar os recados
Todas janelas abertas,
onde eu guardei a fé... em nós

Meu café em pó solúvel
Minha fé deu nó
Minha fé em pó solúvel

É... meu computador
Apagou minha memória
Meus textos da madrugada
Tudo o que eu já salvei

E o tanto que eu vou salvar
Das conversas sem pressa
Das mais bonitas mentiras

Hoje eu não vivo só... em paz
Hoje eu vivo em paz sozinho
Muitos passarão
Outros tantos passarinho

Que o teu afeto me afetou é fato
Agora faça-me um favor

Um favor... por favor

A razão é como uma equação
De matemática... tira a prática
De sermos... um pouco mais de nós!

Que o teu afeto me afetou é fato
Agora faça-me um favor

Um favor... por favor

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Chips

Chips... chips... pq chips?!
Adoro falar isso... eh sonoro, legal, passa bastante ar pela boca, usa a lingua...
Eu tenho mania de avaliar algumas palavras na hora de falar... dae eu as fico repetindo e repetindo, até que elas já não façam mais nenhum senso, sentido, etc.
Já fizeram isso?! Repetir as coisas até que elas não tenham mais sentido?
Acontece e acontece muito... vc repete repete repete e oq vc diz sai tão vazio quanto um emaranhado discorde de palavras, sem sentido, sem sentimento.
Falar é o que diferencia o homem dos demais animais e a maioria dos homens só falam merda, pior q animais. O que é dito muitas vezes não é tão pensado quanto deveria e oq é pensado demais não é dito quando deveria, de qualquer forma, sempre se perde.
Falar envolve escolha, falar ou naum falar, responder ou perguntar, dar ou receber, ser ou não ser... A cada escolha que é feita algo indispensável e irrecuperável é perdido no mundo negro das coisas esquecidas.
Viajo pensando no que seria de mim se minhas escolhas fossem outras. Se eu tivesse resolvido fikar, estudar mais, dormir mais cedo, não olhar pro céu naquela noite ou nunca mudar... oq seria de mim...
E as escolhas envolvem as palavras... sim ou não sempre, nunca um talvez, eventualmente um será e certamente um porque... eternos porques.
E os chips chips chips permanecem me tremejando a lingua e me embolando os pensares... Solato chips.
Sonho de uma Flauta - O Teatro Mágico

Nem toda palavra é
Aquilo que o dicionário diz
Nem todo pedaço de pedra
Se parece com tijolo ou com pedra de giz

Avião parece passarinho
Que não sabe bater asa
Passarinho voando longe
Parece borboleta que fugiu de casa

Borboleta parece flor
Que o vento tirou pra dançar
Flor parece a gente
Pois somos semente do que ainda virá

A gente parece formiga
Lá de cima do avião
O céu parece um chão de areia
Parece descanso pra minha oração

A nuvem parece fumaça
Tem gente que acha que ela é algodão
Algodão as vezes é doce
Mas as vezes é doce não

Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Ah e o mundo é perfeito
Hum e o mundo é perfeito
E o mundo é perfeito

Eu não pareco meu pai
Nem pareco com meu irmão
Sei que toda mãe é santa
Mas a incerteza traz inspiração

Tem beijo que parece mordida
Tem mordida que parece carinho
Tem carinho que parece briga
Tem briga que aparece pra trazer sorriso

Tem sorriso que parece choro
Tem choro que é por alegria
Tem dia que parece noite
E a tristeza parece poesia

Tem motivo pra viver de novo
Tem o novo que quer ter motivo
Tem aquele que parece feio
Mas o coração nos diz que é o mais bonito

Descobrir o verdadeiro sentido das coisas
É querer saber demais
Querer saber demais

Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Mas o sonho
Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Ah e o mundo é perfeito
Mas o mundo é perfeito
O mundo é perfeito...

domingo, 14 de junho de 2009

I Miss Her

Eu num acredito q vou fazer isso!! XDDDD~ Mas lah vai uma, aliás, A pior foto que eu tenho!!!



Me acaaaaabo de rir com essa foto. Não me perguntem como fiz isso, foi batida não sei como, não sei quando por não sei quem...
Mas oq quero exibindo essa coisa pavorosa é que vcs prestem bastante atenção à minha incomparável beleza, charme, sensualidade e sexura. Essa criatura que vcs estão vendo ae é capaz de fazer vc... arriar de paixão!!!

E né zueira naum eim... Deixe-me contar o causo pra que vcs entendam melhor.

Eu durante todo o ano de 2008 planejei minha ida ao Rio de Janeiro... cidade maravilhosa! Tinha lá mais de 30 amigos magnificos e alguns affairs emiessiênicos. No decorrer dos meses, conheci lah pelo meio do ano um garoto e começamos um affair legal, uma coisa bem meu estilo, leve, discontraído, desde o começo aquela atração fatal poderosérrima.
Beleza, mais um motivo pra eu ir pra lá, Aurrevoir virginité! Mas eu tiiinha me preparado pra ir!
Fui, gostei, amei, dancei, brinkei, pulei, fiz fama e virei a baianinha mais amada do RJ.
Já fazem quase 6 meses que volte, deixando o namoradinho lá triste e sozinho e claro, vindo tbm triste, sozinha e assediada no ônibus.

Dia desses... madrugada... eu no auge de uma de minhas crises de mutação (qdo elas acontecem meus sentimentos se reorganizam e eu me modifico um pouco), dentre baculejos e sopapos com o antigo namorado de um mês ele me diz: Vou praê amanhã!
Nem levei fé né... eram 4h da madruga... mas ele até tentou.

Tentou, tentou denovo no dia seguinte... e num eh q conseguiu?! Ele chega amanhã! Na vdd daki a pouco, assim q amanhecer.

O que me impressionou é que ele vem largando absolutamente tudo "por mim". E tudo que eu digo inclui as aulas e provas do fim do semestre na faculdade, o curso remunerado do senai, os projetos de festas com os amigos, e uma mentirinha nada inocente pra toda a família.

Eeeh... eu tenho O Poder! Rsrsrsrs
Brincadeirinha... eu gosto dele e reconheço os sacrifícios que ele tá fazendo pra vir aqui apenas pra me abraçar... por duas semanas...

Ainda num consegui organizar tudo isso diritinho, ainda nem acredito q ele tenha vindo mesmo, mas veio! recebi confirmação e tudo... eh q parece tão irreal!!!

Por isso caros leitores MACHOS e LESBICAS... cuidado com essa criaturazinha que vos fala. Aqueles olhinhos tortos e brilhantes podem prender-te pra sempre!
E eu não minto!

I Miss Her - Olodum

Oh lord

I'd like to know where she is now
If she thinks about me or not
Oh not, Oh lord
I wanna give her all my love
My life, my heart
And please her

I wonder if I'm right?
Or must I try to forget her?

Be near me, darling
I miss you darling
Oh bring me, darling
Your sweet kiss, darling

I thought you were happy with me
But I think I made a mistake
Thinking about it
Darling, am I right or wrong?

Be near me, darling
I miss you darling
Oh bring me, darling
Your sweet kiss, darling

Oh jah! Oh jah!
I'd like to be near her
Oh jah! Oh jah!
I miss and love her



sábado, 13 de junho de 2009

Por que os poetas morrem?


Gente, eu juro q tirei foto com essa estátua... mas a gracinha da Lu não quis me passar t.t'
Alguém pega as minhas fotos com ela por favor?! Grata!
Falando da estátua, eh de bronze, tá no calçadão de Copacabana e, pra quem não percebeu, é Drummond. Carlos Drummond de Andrade.

Mas indo direto ao ponto do assunto... Porque os poetas morrem?! Oras... pq todo mundo que é vivo um dia tem que morrer.
Porém não é dessa morte que falo... falo da morte em comum deles... a Tuberculose. O caso de Drummond é um pouco diferente e vou deixá-lo de lado por agora.

Os grandes poetas da antiguidade, principalmente os romancistas, morriam mto jovens, boa parte antes dos 50, deixando obras lindas e repletas de dores de vários amores, ou de um amor devastador que lhes ascendeu à fama e lhes degradou ao fim.
Na cultura oriental há uma crença de q cada sentimento está intimamente ligado a um órgão e os pulmões são ligados à tristeza. Tuberculose já foi denominada "O mal dos poetas".

Então por base nisso, poetas morriam de tristeza. Mas espere um pouco... se eram dores de amores, não deviam morrer do coração?
Alguns céticos explicam que os poetas levavam uma vida muito bohemia, muito sereno, muitos devaneios sob a chuva e como viviam de sonhar e escrever, não cuidavam direito da saúde, não se alimentavam bem. Em consequencia a isso... tuberculose.

Interessante é a ligação da poesia à tristeza. Os melhores versos vem em momentos de dor, onde somente papel e pena (ou caneta...) são companhia para um bom desabafo. A tristeza é poética, eu costumava fazer versos lindos em meus tempos de 'bichinho obscuro', mas eu prefiro me manter loonge dessa profissão, ao menos com versos tristes e lindos, somente as vezes quando nescessário vandalizar que escrevo algo bombástico!
Vida vida bela vida/ se eu me chamasse Margarida/ seria uma rima/ não seria uma solução!

E voltando a Drummond, esse sim morreu de uma profunda tristeza. Sua filha, amiga e confidente morreu de câncer, e ele pediu a sua médica que o receitasse um 'infarto fulminante'. Morreu 12 dias depois.

    Memória

    Amar o perdido
    deixa confundido
    este coração.

    Nada pode o olvido
    contra o sem sentido
    apelo do Não.

    As coisas tangíveis
    tornam-se insensíveis
    à palma da mão

    Mas as coisas findas
    muito mais que lindas,
    essas ficarão.

    Carlos Drummond de Andrade



sexta-feira, 12 de junho de 2009

A Escolha de Páris

Páris, príncipe troiano, nasceu com o dom da diplomacia e da elegância. Educado com todo o cuidado, dedicou-se às artes, ao direito e aos cerimoniais. Conhecido como um homem justo e imparcial, Páris era admirado pelos súditos e pelos deuses, que reconheciam nele um homem de bem. Naquele tempo, no Olimpo, ocorria uma disputa acirrada entre as deusas Afrodite (Vênus), Palas Atena (Minerva) e Hera (Juno), mulher de Zeus (Júpiter). Cada uma delas se dizia a mais bela do Olimpo, o que dividia os deuses, dando início a uma guerra terrível. Zeus então decide que haveria um torneio entre as deusas para resolver esta questão. Para não haver favorecimentos, Zeus designa Páris para ser o juiz dessa contenda. Hermes (Mercúrio) é enviado à Terra para informar Páris ele deveria ir imediatamente ao Olimpo e dar fim à guerra, escolhendo ele a mais bela deusa.

Temendo ofender as deusas e mais ainda, temendo ser perseguido por elas, que apesar de serem deusas, eram terríveis e vingativas, recusa o convite. Zeus, irado, força Páris a aceitar e escolher entre as deusas a que receberia o título de a mais bela do Olimpo. Realizado o torneio, onde elas mostraram suas habilidades, dons e beleza, Páris é recolhido a uma cela, de onde sairia somente com a resposta final. Nos dias em que ficou enclausurado, Páris recebe a visita de cada uma das deusas que tentavam suborná-lo. Hera oferece-lhe o império do Mundo e todas as suas riquezas. Atena faria dele um guerreiro valente e invencível. Afrodite oferece-lhe sua cooperação e proteção e garante-lhe o amor da mulher que ele quisesse na Terra.

Temendo as conseqüências, Páris tenta postergar a decisão o mais que podia, provocando mais uma vez a ira de Zeus, que o força a decidir imediatamente, diante de todos os deuses que, ansiosos, esperavam o resultado. Acuado, viu que não teria outra alternativa a não ser escolher uma das deusas. Refletindo sobre tudo o que havia sido oferecido a ele, Páris percebe que se escolhesse Hera, de nada lhe adiantaria a riqueza da Terra se tivesse as outras duas deusas como inimigas. Se escolhesse Atena, seria um guerreiro invencível, que lutaria eternamente contra as outras deusas. Aceita então a proteção de Afrodite e escolhe para si a mulher que ele desejava na Terra. Afrodite o protege da ira das outras deusas e traz a ele Helena, a mulher que ele amava, dando início à Guerra de Tróia, tendo como inimigos os gregos, Hera e Atena que se uniram a eles para guerrear contra os troianos.

> Essa é a história mitologica que explica a constelação de libra, meu signo. Eh uma história que eu gosto muito, e já ateh conhecia...Todo signo tem uma constelação e toda constelação tem uma históriazinha dessas... Outras histórias q eu adoro são do signo de Escorpião e Gêmeos...
Querem dar uma conferida?
Segue o link { http://www2.uol.com.br/gaiastral/index.shl } Basta clicar no Gif de seu signo.

Fugere Urbem

Primeiro eu gostaria de expressar aqui a minha tristeza pela ausência dos meus leitores e comentaristas. Vou fazer de uma forma bem delicada: Owwww cacete! Aonde vcs foram se meter?! A leitura tá desinteressante poha!?

Depois desse momento muito delicado de minha parte, quero dizer que mainha t á me enchendo o saco! Tah eu num ia dizer isso... mas putz, haja paciencia!

Agora sim... hoje vou por um texto q vai sair aki na hora sobre minha vontade Fugere Urbem, ou seja, fugir da cidade.

Eu sempre me embrenhei pelos matagais. Lembro-me criança, os pés descalços no mato espinhento e na terra seca do sertão, calos, feridas e sujeira era o motivo da briga certa ao voltar pra casa no fim da tarde.
Minha mãe dizia: "Até parece muleque!" Meus amigos diziam o mesmo, eu era mais um muleque, da turma, trepando em árvores e catando bichos para análises infantis.
Na chuva as ruas enlameadas abriam minha mente pras mil e uma possibilidades de brincadeiras. Guerras, escorregões, tropeços, poças onde as aguas vinham até os joelhos e a eventual corrida atrás das sandálias carregadas pela correnteza, e na volta pra casa a desculpa de que não foi possível fugir da água, enquanto a mente voltava a bica de agua forte caindo do telhado direto na cabeça.
Aaah... o cheiro do mato, aaah... os bolinhos de terra. Saudades dos tempos em que as fumaças e o barulho urbano não me entupiam os pulmões e os ouvidos.
Hoje me tornei cativa da cidade, não sei mais viver sem ela. Quem me vê nem desconfia que vivi belos anos no mato, na roça, brincando com os gafanhotos e fugindo das vacas bravas. Minhocas e tanajuras eram meus bichos de estimação particulares, já que a cadela tinha que dividir com toda a família.
Nas madrugadas era lindo acampar no quintal e ouvir os grilos cantar e as estrelas cair. A chuva fina cantando ninar na lona por baixo do pé de uva e exalando aquele cheirinho que só se tem longe da cidade.
E que delícia as ciriguelas direto do pé, e as laranjas e as mangas. As galinhas eram interessantes, mas não mais que os patos, e os cavalos... esses sempre me assustaram.
A terra era fofa, macia como minhas atitudes caipiras. Hoje estou negra, lisa e dura como um asfalto, e não reclamam ao passar por mim, que sou igual aos tantos outros asfaltos, sem nenhum desafio próprio.
Mas ainda tenho esperanças de retomar meu espírito verde, com cheiro de sândalo que perfuma até o machado que o fere. Flexível como um galho, resistente como um tronco, paciente como uma largata e livre, livre e linda como uma borboleta campestre, nada igual as mariposas hipnotizadas pela luz.
Ainda vou voltar à chuva fina, às guerras de lama e às ciriguelas nas árvores, ainda criarei tanajuras e minhocas e um cachorro só meu num quintal grande.
Ainda conhecerei os matagais dos 5 continentes.

Bem... num era pra ter sido tão realista mas foi oq saiu aki na hora. Eu realmente passei boa parte de minha infância longe da cidade fazendo tudo isso ae, acreditem caso queiram.
Quanto a foto... Tancredo Neves num domingo sem guardas, tenho fotos ótimas desse dia.
Quem me ajuda a fugir da cidade? E agora, quem poderá me defender?!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Portas, joelhos, hedonismo e dia 12.


Certa vez disse em meu antigo blog que o melhor das minhas crises existêncialistas é que elas passam rápido. E é verdade.
Já me sinto uma pessoa normal, algo mudou, está diferente e eu nem percebi ainda, mas isso é questão de tempo, agora basta que eu siga com minha melancolia até as coisas ficarem mais claras.

Como eu adoro metáforas, vou ditar uma:

-Imaginem-se num túnel escuro, o túnel é estreito, frio, você não pode voltar pq o túnel vai se desfazendo a medida em q vc passa, o único caminho possível eh pra frente. A única coisa que ilumina seu caminho é uma vela, pingando incomodas gotas de cera quente em seus dedos de vez em quando.
De repente seu caminho unilateral é interrompido. Há uma porta, uma grande porta de metal com demônios em alto relevo e a fechadura dentro da boca de um leão, do outro lado um barulho ensudercedor, uma luz forte passando pelas frestras... vc está assustado, sua vela está acabando e o túnel atrás de vc se desfazendo.

Você então só tem duas opções:
-Manter-se paralizado de medo esperando o escuro e a queda;
-Enfrentar a porta e ver oq há de tão terrível atrás dela.

Medo é paralizante, mas é enfrentável. A minha porta era velha, há muito tempo não aberta... eu forcei e ela tombou num estrondo forte.
A poeira levantada e a súbita claridade (Ai meus olhos foto-sensíveis!) não me deixam ver o caminho... e agora a única coisa que posso fazer é esperar a poeira assentar e meus olhos se acostumarem, pra eu poder ver meu caminho, ver o que devo enfrentar dessa vez.

Meu momento é exatamente esse de espera, muita poeira e pouca visão... Algo inevitávelmente ficou pra trás, foi perdido, é o que se acontece quando se evolui uma etapa, como uma serpente que perde uma pele a cada vez que cresce, a curiosidade pelo que virá é grande, o medo de não conseguir e a vontade de parar na porta são pensamentos q zunem em minha mente como muriçocas teimosas. Mas eu vou esperar.

Algo que foi evidentemente perdido no tempo foi a saúde de meus joelhos. Me sinto uma senhora de cabeça branca ao confirmar que já não sou mais tão jovem. E ae me repreendo, só (quase) 20 aninhos, tantos dariam tudo pra terem essa idade. Estou em transição, meus joelhos não me acompanham mais... talvez pelo peso, ou pelo que os obriguei passar... ou somente pelo delicioso frio de junho, eles simplesmente resolveram ranger! Há um certo prazer nisso, a cada estalo uma lembrança... quase duas décadas de lembrança... e boa parte de 17 anos disso eu prefiro deixar para trás.

Por falar em prazer, ontem uma de minhas manas me surpreendeu com a frase:
-Mana... você é uma hedonista!
-Hedonista? Eu já ouvi essa palavra... oq significa?!
-JNG mana! Joga no google!

E como o São Google eh o mais sapiente de todos, lancei essa palavra até então desconhecida e vi que Hedonista é a pessoa que busca incessantemente pelo prazer, seja ele altruísta (o prazer em dar prazer aos outros, ou fazer o bem sem olhar a quem) ou o prazer egoísta (prazer pra si próprio). Eu me confirmo como uma Hedonista Altruísta e Egoísta... isso pra adicionar ao meu status de Narcisista, Exibicionista e Egocêntrica. Adoro ser definida em palavras esquisitas e não-usuais.

E Hedonismo tem tudo a ver com dia 12, dar e receber presentes, beijos, amores, prazeres... O maior prazer no dia 12 eh o dos gerentes de motel, sempre faturando. O dia dos namorados tá muito capitalizado, já ateh falei disso por aqui, mas o meu dia 12 nada terá de hedonista.
Sim... ele tá vindo do Rio pra cá e eu too esperando, mas não tão ansiosa. Algo se quebrou e eu ainda não sei o que foi... oq posso eu dizer de amor verdadeiro?! Meu dia 12 ainda será sozinho, eu me amando, me dando e recebendo prazeres de mim... mas os presentes ficarão pra depois da crise.

Dia 12 eu pretendo sair no frio da madrugada e dar uma corrida... espairecer com o vento, meu elemento sempre me ajuda e eu estou precisando me mecher um pouco.

Espero assim saciar meu hedonismo (que o betacaroteno aja em meu cérebro) e não maltratar muito os meus joelhos... e não demorar muito a ultrapassar a porta de ferro que jaz sob meus pés.

Runas


Laguz - A Situação presente.

A ação das forças criativas. Sob a influencia desta Runa, nossa necessidade de mergulhar na inquietante experiência que é viver sem medos ou hesitações é plenamente atingida. A Runa índica que forças invisíveis e poderosas estão em ação e a seu favor, se puder recebê-las. Marca um período em que as emoções, a carreira ou um relacionamento muito caro, estão em efervescência e fertilidade e, oferece todas as oportunidades de sucesso. A Runa costuma assinalar um momento de esclarecimento, de reavaliação ou de reorganização de métodos e objetivos, para uma perfeita adaptação a nova ordem. Sendo uma Runa ligada ao conhecimento profundo que cada um deve ter de si mesmo, ela pode exigir muita dedicação as questões espirituais: você que a recebe deve preparar-se para passar por um processo de auto transformação. Assim, utilizando seu conhecimento intuitivo, você pode chegar a harmonização completa como seu próprio ritmo. Se puder ser aproveitada por você, esta Runa simboliza o que os alquimistas chamam de conjunctio ou casamento sagrado, como nos contos de fadas, esta e a Runa de final feliz, do ...e viveram felizes para sempre...


Hagalaz - O consulente perante ao Problema.

Os benefícios de um rompimento. Mudança, libertação, invenção são os atributos desta grandiosa Runa. Tirá-la índica uma forte necessidade de romper com uma limitação da realidade material. Marca um momento em que um rompimento é a melhor saída. Quando a receber, você deve se preparar para enfrentar uma perda ou um prejuízo. Mas não desanimará, porque foi avisado a tempo e aceitará esse acontecimento como necessário ao seu processo de crescimento. Saberá também que quanto maior for a reviravolta, mais significativo será esse momento de sua vida. Você pode contar com o desencadeamento de seus planos, pois esta Rua também é o Runa despertar, e poderá assumir a forma que melhor atender aos seus interesses: você é quem dirige os acontecimentos.


Perth - O Resultado Final através da evolução das runas.

Voar, buscar, para encontrar. Esta é uma Runa hierática ou misteriosa que assinala o que está alem de nossos frágeis poderes. Esta Runa está associada ao Fênix. O pássaro místico que se consome no fogo e renasce das próprias cinzas. Seus caminhos são secretos e ocultos. Forças profundas de transformação estão agindo. Mas o que se obterá não poderá ser repartido. A questão é a integridade. No plano material pode haver surpresas: ganhos inesperados não são impossíveis. No plano da natureza humana, esta Runa é simbolizada poro vôo da águia. Vôo livre, sem entraves, muito acima das oscilações da vida cotidiana, que permite uma visão mais ampla. Esta é a Runa da busca, que significa intensa iniciação. Nada externo importa, exceto àquilo que mostra a sua luz interior. Se for preciso, abandone tudo, sem exceções. O que está em jogo é a renovação da vida espiritual.



Pra quem não entendeu nada de nada... Runas é um tipo de oráculo muito antigo que lhe diz mais ou menos o que tá acontecendo e te dá uma leve guia. Eu adoro tirar as runas, chega a dar medo de tão certo e no momento, o que elas me indicam é isso ae.
Pra quem se interessou, o link pro jogo virtual das runas está logo ali do lado.
Boa sorte ;]

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Cause sometimes...

I just wanna feel this way... { http://www.youtube.com/watch?v=TUXXewDJdUE }

Trevas


Eu ia até escrever sobre algo legal, bonito e interessante, mas os ultimos acontecimentos nos passados 15 minutos dessa madrugada modorrenta de quinta, a um dia do famigerado dia dos namorados, me fizeram mudar de assunto, humor e me preencheram com um vazio e uma solidão absurda.

Peço que não levem em consideração oq eu escrever aqui... é tudo uma bruta diarréia literal feita em meu momento mais emo, que logo logo vai passar, eu soh preciso jogar toda essa merda pra fora e num tem nada melhor pra fazer isso que um diário... mesmo q virtual... e mesmo q naum seja um diário.

Eu estou experimentando uma sensação de morte. Calma, num tem nada de suicida no meu texto. Apenas sinto que parte de mim tá indo embora, cedendo lugar ao desconhecido que por tantas vezes me encheu de medo.

Coisas poucas vem tomamdo proporções absurdas e me deixando mal, me corroendo. Por vezes viro uma 'ema' perfeita e choro, tenho ódio do mundo, deixo os cabelos pavorosos me cairem por todos os lados e me mordo com força, já que é pra sentir dor, que seja ao menos uma dor real.

Tenho hoje vontade de ser uma puta qualquer de qualquer esquina de boca vermelha e olhos sem brilho, escondida no escuro de uma boate de quinta nos subúrbios da cidade, tão sujo quanto eu... escolhendo a proxima vitima com frieza enquanto balança os pés num salto alto e fino... como uma adaga pra ser enterrada no coração de mais um desleal. Nas mãos uma bebida forte e um cigarro aceso, nada na mente e bondade nenhuma no coração... apenas o blues.

Assim eu seria inatingível. Sentimentos machucam, esperanças magoam e expectativas... essas eu quero que vão pro quinto dos mais profundos infernos! Hoje sou lodo, musgo úmido e quente de canos por onde passam a sujeira alheia, resquícios das felicidades, das incertezas. Hoje sou inferior a tudo, inatingível.

De certo o sexo, sem amor, sem compromisso... pelo prazer de ter prazer. Quem sabe absinth, cigarrets, quem sabe as drogas, as armas, os tiros... quem sabe enfrentar o inferno e saber como combatê-lo, esquivando-se como uma gata vadia de rua que sabe todas as manhãs de uma vida ruim. O inferno real não me daria demônios na mente que me sussurram dentro dos ouvidos tudo o que não sou, toda minha fraqueza no 'não ser'.

Abusar dos liquidos, das linguas. Abusar da falsidade, fingir paixão, olhar de mil maneiras pra mil homens e não ter nenhum dono. Cada dia uma vida, cada dia um ciclo, cada dia um nome. Ser o mais quente no frio, o mel, o vinho, o sangue, o fim quente numa noite fria.

Me venderia fácil por diamantes difíceis. Tudo passaria na fumaça do próximo cigarro, mas os diamantes ficariam... eles são eternos. Um senso de humor curto, necessário, uma capacidade incrível de conquista, a sensação de saciedade em tirar vantagens. A vida real, dia a dia, sem expectativas, sem futuro... sem decepções. Apenas a vida... dura e fria... como desde sempre deveria ser.

Meus? Só os pêsames.

Panis et Circense

É... quarta-feira, eliminatórias da copa 2010 na TV, o BRASIL parando pra ver o BRASIL jogar e mais uma vez aqueles surtos de patriotismo dominam a mim e a meu país. Mas são surtos diferentes.
Explicarei melhor caros leitores. A copa é um grande acontecimento mundial, em que o BRASIL tem um destaue absurdo. Somos o país do futebol, os melhoers do mundo, o único futebol 5 estrelas! Como é bonito ver todo mundo mobilizado, enfeitando as ruas de bandeirolas em verde e amarelo, bandeiras pipocando em todos os lados, no topo dos prédios, nas janelas dos carros, crianças de cara pintada, todo mundo de cara pintada, as cores da bandeira enfeitando tudo e todos durante toda a copa... que é estratégicamente proxima às eleições presidenciais.
E aaí que as coisas ficam menos festívas. Pra quê prestar atenção nas propostas e na complicação que acontece lá no senado se o BRASIL estiver ganhando? E oq acontece? E quem fez e quem não fez? E oq fizeram de bom ou ruim?
A democracia brasileira tem suas raizes nos grandes impérios ocidentais do passado... e infelizmente herdou também o culto ao Panis et Circense dos romanos. Se o povo tem pão (Bolsa Família) e circo (copa) eles não prestarão mais atenção em nada, serão facilmente manipulados e enganados.
Aaah Brasilis! Se Collor se eleger... eu voto nele! De mau à mau... ele já mostrou o que pode fazer...
Quem vai acabar primeiro? O mundo, o Brasil ou a Copa?? Espero que ao menos a copa tenha um final feliz pra nós, brasileiros, e que passemos dos pés da França!
E se perder... bem... estaremos quase todos ocupados demais chorando as mágoas da vida pra prestar atenção em qualquer horário eleitoral gratuito.

E aee... gostaram do visual patriótico do texto hj?! Aaah... qualé... eu tbm torço pelo BRASIL na copa! ;D

EDIT>>> E o Brrrraaaaasil il il acabou de ganhar de 2x1 contra o Paraguay, de virada, fikando com 27 pontos em primeiro lugar pra copa... Pra frente Brasil! Salvem a seleção... e todo o resto do país!

Brasil - Cazuza

Não me convidaram
Pra essa festa pobre
Que os homens armaram pra me convencer
A pagar sem ver
Toda essa droga
Que já vem malhada antes de eu nascer

Não me ofereceram
Nem um cigarro
Fiquei na porta estacionando os carros
Não me elegeram
Chefe de nada
O meu cartão de crédito é uma navalha

Brasil
Mostra tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil
Qual é o teu negócio?
O nome do teu sócio?
Confia em mim

Não me convidaram
Pra essa festa pobre
Que os homens armaram pra me convencer
A pagar sem ver
Toda essa droga
Que já vem malhada antes de eu nascer

Não me sortearam
A garota do Fantástico
Não me subornaram
Será que é o meu fim?
Ver TV a cores
Na taba de um índio
Programada pra só dizer "sim, sim"

Brasil
Mostra a tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil
Qual é o teu negócio?
O nome do teu sócio?
Confia em mim

Grande pátria desimportante
Em nenhum instante
Eu vou te trair
(Não vou te trair)

Um capítulo extra de As Jóias de Symb


Nanuk estava a tanto tempo em Radjak que já nem contava mais... semanas, meses, anos, não importa quanto tempo passasse, Radjak se mantinha imutavelmente gélida.
Ela havia se acostumado com o frio do lugar, na verdade agora até gostava. Aprendeu a ver a grande beleza daquele planeta de sol negro.
Os feiticeiros eram um povo estranho, nada amigável e em nada se pareciam com ela, mas o apredizado que eles lhe proporcionavam saciavam sua fome de saber, e as coisas eram bonitas também no escuro. Por vezes Nanuk ficava observando Milla em comunhão perfeita com seu mundo, seu rosto pálido e olhos grandes, tudo perfeitamente desenhado pra sobreviver àquele local e Nanuk sentia-se mudando também.
Viver ali não parecia tão ruim, era acostumável, contanto que houvesse sempre algo pra fazer dava pra ser feliz. Como sempre acontece quando há tempo e distância, as lembranças foram se apagando e o inesquecível perdia seus detalhes a cada dia-noite que se passava. Cheiros, cores e sabores do passado já não rondavam-lhe a cabeça o tempo todo, deram lugar a novos cheiros, novas cores, novos sabores. Isso fazia a saudade diminuir, não doer tanto, e Nanuk passou a acreditar que poderia viver sem o que antes a faia tão bem, talvez fosse até melhor.
Nos raros momentos de lucidez Nanuk lembrava, lembrava e chorava pedacinhos de prata que a faziam sentir saudades, cortantes e insuportáveis. Lembranças dos amigos, das companhias, do calor e de seu amado, lembranças que as matavam amargando-lhe a garganta com a propria bilis.
Então ela decidiu não mais lembrar e apenas seguir. Não sabia mais quando voltaria e se voltaria, não sabia oq fazer e nem oq devia deixar de fazer.
Vivia apática, no nada, guiada pela força maior do tempo, aguardando algo que a fizesse se mover, pois já não tinha mais forças pra mover a si propria.
De todos os perigos enfrentados em Radjak esse era sem dúvidas o pior. Não se tratava de algo externo q se podia vencer por estratégia, mas de seus maiores medos vindo a tona diariamente em função do nada em q se mantinha.
E a ela, só restava esperar, admirar e aprender a viver bem no lugar em que estava.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Em cat


Adoro responder coisinhas sobre mim. Acabo me descobrindo mais ao me exibir.

Um livro: Quem tem medo do escuro - Sidney Sheldon
Um filme: Singing in the Rain
Um ator: Lima Duarte
Uma Atriz: Maryl Streep
Uma música: Preciso dizer que te amo - Cazuza e Bebel
Um ritmo: Forró
Um som: Eletronico
Uma banda: The Beatles
Um cantor: Elvis Presley
Uma cantora: Janis Joplin
Um instrumento: Contrabaixo
Uma nota: Sol
Uma cor: Vermelho vinho
Uma textura: Seda
Um liquido: Semem
Uma bebida: Vinho com Coca
Claro ou escuro: Meia-luz
Um signo: Minha lua, gêmeos
Um animal: Meu zodiaco oriental, serpente (e gato, sempre um gato!)
Pra ouvir sempre: Sussurros apaixonados
Pra nunca ouvir: Agonia (grito, choro...)
Pra ler: Blogs eróticos
Pra ver: Nudez
Uma fruta: Uva
Uma comida: O macarrão de mamãe com o feijão de vó
Um momento: 27/12/2008 á noite.
Posição: Diagonalizada
Um amigo: Um lugar pra escrever
Um amor: O meu por mim
Um beijo: Aquele beijo!
Um número: 17
Uma pedra: Diamante
Um planeta: Marte ou Vênus...
Um defeito: Medo excessivo
Uma virtude: Vontade de saber
Um pecado: Luxuria
Um dom: Versatilidade
Um sentido: Acima
Um verbo: Saber
Um dia: Terça, 20
Um mês: Outubro
Uma época: Festejos Juninos
Uma estação: Outono
Uma vontade: Ir em frente
Uma falta: Coragem
Um formato: Prisma piramidal
Um estado: Liquido
Um elemento: Ar
Um pedaço de árvore: Raiz
Um pedaço de gente: Boca
Concreto ou Abstrato: Concreto
Um lugar: Algum meio do nada com muito verde e barulho de agua
Uma paixão: Sexo
Um hobbie: Fotografia
Um toque: Do suave ao forte
Uma atração: Sensualidade e beleza individual
Uma repulsa: Grosseria e deselegância
Um cheiro meu: Almíscar
Um cheiro alheio: Cangote de macho
Uma dança: A que for ditada
Um programa: Jô
Um desenho: Avatar
Um personagem: Kyouya (Ouran High School Host Club)
Um homem: João Marcos (professor)
Uma mulher: A que vou ser
Uma frase: "Há coisas grandes demais pra se resumir em uma única frase."

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Convoco conterrâneos, meidei, meidei...


Primeiro, alguém me diz, meidei se escreve assim mesmo?! Nunca vi isso escrito :S
Segundo, essa coisinha redondinha e fofinha aee do lado sou eu sim, velha a beça essa foto... Mas eh providencial, me lembrou o E.T. q num precisa de nenhum nome além de E. T. Me lembrou ele por causa da famosa cena "E.T. come home" ou eh call home, nunca soube. Assim como ele, eu quero minha casa, quero meus conterrâneos, quero pessoas iguais a mim. Não é possível que eu pertença a esse mundo!
Meus pensamentos são tão diferentes. Ás vezes me situo... uma mulher de qse 20 anos... É... eu sou um ET!!! Definitivamente!
Eu num tenho nada que as habituais mulheres de qse 20 anos tem. (Num consigo parar de ver como too 'fofa' nessa foto xD) Eu tenho uma prima (novidade, eu tenho 14 primas!), ela é a pessoa de quem eu lembro com 20 anos. Ela era uma... mulher! Tão vaidosa, sensual, bonita, fútil... gostava de novelas e romances, falava dos garotos de uma forma maliciosamente contida, bebia cerveja, trabalhava, não usava o pc o dia inteiro e nunca tinha ouvido falar em animes. Jah namorava a 3 anos com um cara bonito e interessante, tinha mania por bolsas, sapatos, roupas e maquiagem e mantinha uma ingenuidade sinicamente disfarçada apenas pra conquistar. Não pensava em política, nem nos problemas do mundo, ou os grande erros da sociedade, não sofria pela África e pelas crianças do Oriente Médio. Não tinha nem pensava em ter ligação com algo maior. Absurdamente normal e comum. Hoje ela trabalha, está casada com aquele namorado bonito e interessante, trabalha, gasta seu dinheiro menos em sapatos e roupas e mais em panelas e comida, engorda uns 2 quilos por dia, tem uma vida social relativamente ativa e pensa em ter filhos.
Tão diferente de mim que chega assusta comparar.
Eu com a idade que ela tinha a pouco tempo não sou vaidosa, não me considero sensual a não ser em algumas fotos (não nessa), não me acho bonita e graças a Deus não sou tão fútil... odeio televisão a não ser nas madrugadas com Jô e filmes antigos, falo de garotos, homens, mulheres, sexo, tudo de uma forma cientificamente escrachada, raramente bebo e quando o faço prefiro vinho, nunca trabalhei de verdade mas já fiz uma porrada de coisa estranha, saio do pc as 4 da madrugada, durmo até as 5 da tarde e acordo direto no pc, sou viciada em animes shoujo e faço downloads o dia inteiro. Namorei uma única vez durante um mês com um cara que conheci pela internet, perdi minha virgindade com ele de uma forma nada convencional e continuei tendo experiencias nada convencionais, estou sozinha, gosto de sapatos mas não tenho bolsas, detesto sair pra comprar roupas apesar de sempre ajudar alguém a se vestir e raramente uso maquiagem apesar de pintar a cara das parentas. Sou super desengonçada e desajeitada, não sei conquistar, sou infantil as vezes, teimosa, confusa e é tudo genuinamente natural, sou uma bosta de verdade. Não contenho minhas palavras, não me adapto a certos ambientes, não uso salto, nunca fui gatinha, sempre tive espirito de leoa, me extresso com a política porca nesse país que já está miserável o suficiente, fico pesarosa com o fim eminente do mundo, com a educação dada as crianças do Oriente Médio, não consigo não sentir dor ao saber da África, compreendo os nossos erros atuais pelos erros passados, penso numa solução de mudança e me frustro pela massa ser ignorante. E sinto algo... alguma espécie de loucura, só pode, mas sinto algo!
Dizem que ignorância é uma benção, as vezes acredito. A diferença maior entre mim e minha prima era justamente o conhecimento, a capacidade de observar que eu sempre tive e ela nunca teve. Mas a vida dela andou... a minha...
Me imagino daki a alguns anos. Ainda sozinha, ainda sem nada verdadeiramente grande ou importante, ainda sem ninguém que compartilhe de perto minhas idéias malucas e me abrace em seguida.
Pessoas como ela são o mundo em que vivo. Estranhos seres, diferentes, que não combinam comigo. As vezes tenho a sorte de achar pessoas legais, interessantes, que me acrescentam coisas, mas até hoje ainda não achei aqui em meu cotidiano alguém verdadeiramente parecido comigo. Alguém com idéias malucas de soluções impossíveis, com problemas de solidão, com medos terriveis de um futuro incerto... alguém que pode ser mil pra me satisfazer em todas as minhas vontades.
Eu sei que existem exemplares de E.T.'s por ae, as vezes leio os blogs delas. Toda pessoa interessante tem um blog, mas 90% dos blogs não são de pessoas interessantes, por isso a dificuldade. Eu nunca consigo me definir, mas sempre acho alguém que escreve coisas que eu leio e digo: Posha... esse cara me descreveu, eu que sou assim!
Quando acho algum E.T. desses me dá um frenesi e uma felicidade tão grande que tenho medo de falar com a pessoa. Talvez ela me ache um E.T. de outro planeta que não merece atenção e eu num me dou mto bem com certas decepções, prefiro me abster a sofrer porres. Talvez essa minha armadura seja meu pior defeito.
Amiguinhos conterrâneos, tenham a coragem que eu num tenho. Peço-os, imploro de joelhos e se preferires mais de pertinho: Façam contato com essa criatura perdida e sem nave. Mostrem-se e levem-me de volta ao meu mundo, ou pelo menos, traga um pedaço desse mundo bom pra me fazer mais feliz.

Eu - Pato Fu (dido xD)

Eu...queria tanto encontrar
Uma pessoa como eu
A quem eu possa confessar
alguma coisa sobre mim

Quando acontece um grande amor
assim como você e eu
o tempo passa por nós dois
não lembro o que aconteceu

Eu...queria tanto encontrar
Uma pessoa como eu
A quem eu possa confessar
alguma coisa sobre mim

Mas nem por isso vou ficar
a questionar os erros meus
Você precisa procurar
Achar o que você perdeu

Eu...queria tanto encontrar
Uma pessoa como eu
A quem eu possa confessar
alguma coisa sobre mim

Vícios e Virtudes

Eu estou tão EU ultimamente! Meu narcisismo eh um dos vícios que considero uma virtude, pois só me liberando do moralismo que me dizia pra ser mais humilde é que consegui ter algum pingo de auto-estima. As vezes me amo tanto que tenho vontade de literalmente "ir me foder", o melhor é que eu vou mesmo!
Acho que todos aqui já viram ao menos uma vez aquele texto de Chaplin que invadiu os perfis do orkut, o "Quando me amei de verdade". Poucos dias antes dessa febre Chapliniana no famigerado orkut eu vi esse texto em uma montagem que salvei a muito tempo e jah nem lembrava mais, até pensei em por no orkut... ainda bem que não o fiz.
Mas voltando aos vícios e às virtudes, essa foto tem elementos que me são verdadeiros vícios! Não é o cigarro, apesar de ter matado minha vontade que inclusive nasceu nessa foto, mas (segue a listagem): Fotografia, P&B, Lingerie, Sensualidade e Kylie Minogue.
Essa foto hipnótica me desperta com força todo o meu lado lesbiano... eu comeria essa mulher de colherinha de sobremesa sem pestanejar! Prazer é um de meus vícios, mas vamos por partes.
Quem me conhece sabe que fotografia eh um de meus hobbies favoritos, vê-se bem pelas (atualmente) 1.275 fotos em meu album. Fotografia pra mim não é o trabalho das manequins-cabide, mas sim tudo oq uma imagem pode me dizer, as sensações que ela pode me passar, Posso gostar de uma foto que não mostra nada e odiar uma que mostre a Ana do BBB de lingerie.
O P&B ou envelhecimento ou sépia eh outro vicio, gosto do retrô, principalmente no contraste com o moderno. Adoro tecido de bolinha.
Lingeries... uma paixão platônica, forte e sem nenhum affair. Duas coisas me distanciam dessa grande paixão: O bom senso... e a falta de dinheiro. Boas lingeries pra pessoas como eu, que além de despadronizada é critica, são difíceis e carésimas. Animem-se, não são impossiveis. Só quase.
As lingeries são ponto alto de uma paixão que me move em quase tudo, a sensualidade. Eu me apaixono pelas coisas sensuais, sejam peças, pessoas, senhoras como Maryl Streep, crianças como Karina Ferrari (a Anusha de Caminho das Indias), frutas como cerejas e morangos, bebidas... enfim, a sensualidade me atrai e me faz ver a beleza relativa de todas as coisas.
E a Kylie... ela eh uma magnifica! Sensualissima essa pequena. As fotos dela são magníficas!
Meus vícios se tornam virtudes a depender do modo que os uso, eles me são nescessários. Minhas virtudes as vezes dão lugar a concessão, ou acabam tornando-se prejudiciais.
E assim sigo, dosando, medindo, pesando e considerando in ou suficiente.

Quando me amei de verdade* (Charles Chaplin)

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância,
eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E, então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome...* Auto-estima*.

Quando me amei de verdade, pude perceber que a minha angústia, meu
sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra
as minhas verdades.
Hoje sei que isso é...* Autenticidade*.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse
diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu
crescimento.
Hoje chamo isso de...*Amadurecimento*.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar
forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que
desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está
preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é...* Respeito*.

Quando me amei de verdade, comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável...
Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo.
De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama...* Amor próprio*.

Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre e desisti
de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho
certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é...* Simplicidade*.

Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com
isso, errei muito menos vezes.
Hoje descobri a...* Humildade*.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de
me preocupar com o Futuro.
Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é...* Plenitude*.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me
atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu
coração, ela se torna uma
grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!

Apertos apartados


(Lembranças dos apertos dos agora apartados.)

Ahá, olha uma ilustrissima foto da suruba do pós-natal ae gente! Saudades do Rio e das pessoas... e dos apertos!
Eu fui tentar fazer uma análise e me confundi toda, afinal, seria a internet um meio de apertar ou de apartar as pessoas?!
Ás vezes esse mundinho eletrônico me faz pequena. É certo que expande todas as barreiras, eu até conheço um indiano (de vdd, e naum um ator da globo) e ele mora na Índia! Todos os meus amigos, até pouco tempo atrás, eram surgidos de algum site, de algum flog, blog, orkut, etc. Inclusive meus amigos cariocas, fui pra lá sem conhecer pessoalmente nenhum deles, pra ficar na casa do pai e amei cada momento de realidade que tive com meus amigos virtuais.
Mas aí eu voltei. Sonho realizado e o vazio que vem depois. E agora?!
Após algum tempo, minhas barreiras foram quebradas, estraçalhadas melhor dizendo, e eu saí, fui pra perto, um longe perto, me expandi, me postei, agradei e pela primeira vez em muito tempo fiz contato com pessoas que antes não me eram virtuais. Claro q por intermédio de alguem do meu msn!
Mas ao fazer isso algo mudou em minha cabeça. Eu vi que não sou tão ruim, nem tão assustadora, talvez não tão timida quanto penso e vi que posso agradar aqui tbm. Viver é tão melhor q sonhar, só dá mais trabalho.
E agora, a maldita divisão que me divide em duas partes iguais e opostas, consequentemente redundante, já que são duas de um inteiro!
Sonhos são importantes, mas de nada valem sem a realidade. Seriam soh sonhos. Eu ainda me prendo mundo ao mundo utópico em que vivi, um passado bom, um sonho do qual já acordei, mas tento voltar dormindo e dormindo e dormindo...
Mas a sede que tenho de 'ser' me acorda, acorda com o tapa frio da dificuldade que eu me imponho. Eu dificulto tudo!
Me coloco então numa discussão eterna e que não me leva a nada. Devo eu sair do sedentarismo dessa cadeira na frente dessa tela e aprender com as quedas da vida? Ou devo eu aproveitar a sabedoria sem limites e a manutenção de antigos amigos virtuais?
Os amigos virtuais que me são muito reais a proposito. Seria a felicidade virtual real tbm? Não consigo me manter em um mundo onde não posso tocar meus desejos.
A internet tem me matado! Me consome as energias nos dias em q nada faço. E como me livro? Posto num dos blogs. ^^ Até meu sexo é virtual. Tah... talvez nem sempre. E o sexo virtual me mete abuso, mas esse eh um assunto pro Confessioning.
Amiguinhos, cariocas, paulistinhas, da casa do inferno e os caralhos! Eu os amo, tenham isso em mente. Mas se eu sumir, por favor, entendam. Eu precisei viver!

"E que a força do medo que tenho, não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo o que acredito não me tape os ouvidos nem a boca
Porque metade de mim é o que eu grito, mas a outra metade é silêncio.
Que a música que eu ouço ao longe, seja linda, ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada mesmo que distante
Porque metade de mim é partida e a outra metade é saudade"
Oswaldo Montenegro - Metade

               

sábado, 6 de junho de 2009

Mais uma daquelas músicas!

LEMBRANÇA DE UM BEIJO
(Accioly Neto)

GRAVAÇÃO ORIGINAL 1993

Quando a saudade
Invade o coração da gente
E pega a veia
Onde corria um grande amor
Não tem conversa
Nem cachaça que dê jeito
Nem um amigo do peito
Que segure o chororô
Saudade
Já tem nome de mulher
Só pra fazer do homem
O que bem quer
O cabra pode ser valente
E chorar
Ter meio mundo de dinheiro
E chorar
Ser forte que nem sertanejo
E chorar
Só na lembrança de um beijo
Chorar

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Exupéry Fumava Um!

Ou vc acha que ele criou aquela magnifica história do pequeno principe limpo?!
A história é uma verdadeira loucura intergalática de um ET loiro, provavelmente de Plutão que é principe de um planeta que num tem nem rei, aliás, num tem nada além de vulcões, baobás e uma rosa esnobe vinda não se sabe como de um lugar longíncuo.
Exupéry tava tão cheio de fumaça na mente que não se contentou em escrever, ele desenhou! Eh gente... tem quem veja gnomos, fadas verdes... ele viu um Pequeno Principe ET Loiro :S
Bem que dizem que as idéias formadas na lombra são as melhores! O Pequeno Principe é um sucesso, assim como as musicas do Skazi, e se assim não fosse... Bob Marley não era rei!
Mas voltando ao ETzinho simpático, eu só fui ler o tão aclamado livro a um tempo relativamente curto... li ano passado. Fiquei encantada pela história, a profundidade e tbm fikei pensando se as crianças entendem aquela história, ela eh cheia de metáforas e eufemismos malucos sobre vida, morte, amizade e 'cobras'. Uma pequena observação, foi só eu quem achei que akele rei maluco era de Jupiter?! Agora vamos aos pontos máximos da história.
>Ao que me lembro, perdõem-me os fãs se eu estiver errada, ele conhece o 'amigo' depois de alguns dias no deserto, tendo alucinação pakas, provavelmente bebendo suquinho de cogumelo.
>O Principe veio viajando a pé de planeta em planeta... será q ele num ficava cansado? Tah que eh uma ficção dos diaxos... mas eu sou curiosa poo!
>O Princepezinho não tem pai, não tem mãe, não tem companhia e eh um auto-didata incrivel da vida. Será q se exportarmos nossas crianças pros plutões da vida, elas seriam assim, legais?
>A roseira, ou até a rosa de cabo longo, nascem de brotos, não falam nem tem personalidade... quem foi o filho da puta que lançou um broto radioativamente modificado no espaço?!
>A raposa eh a mesma que debochou das uvas? Essa num eh mto confiável a dar lições de moral
>A raposa pede pra ser cativada, isso eh fato! Depois obriga o pobre Etzinho loiro a ser eternamente responsável por ela. Cativar, nem sempre, eh culpa sua... vc se torna eternamente responsável sim por aquilo que vc cultiva e pelo tempo em que cultiva... o eterno ae deveria ser relativo.
>O principe num dá uma lição na rosa piriguete. Ele desfaz das outras pra curar a dor de corno que sente... Oq as outras pobres rosas tem a ver com os problemas dele pra q ele chegue falando q elas nada são perto da rosa piriguete dele???
Sacanagem eim...
Fora isso, baobás e repolhos são parecidos, arbustos vivem crescendo em Plutão e uns podem destruir o planeta, mini vulcões servem como fogão e as cobras podem levar as crianças a uma viagem transcendental sem volta!
Aaah... homens de contas viram cogumelos roxos!
Por isso me mantenho letrista!
;]

Literata - Quente e Letrista

Quente e Letrista, pros que não se consideram frios e calculistas. Essa piada infame até que combina comigo, quem lê meu livro sabe que sou letrista, quem me conhece sabe que sou quente (6'.
Mas vamos dizer oq há pra dizer. Eu vim com essa empolgação pra falar das letras pq aconteceu hj de manhã algo engraçado e que me ocorre com frequencia, dae lembrei de me explanar.
Hoje de manhã (sim, eu existo de manhã) eu acordei, na vdd eu nem cheguei a dormir, mas o caso é que tive que sair pra enrtegar um cachecol pra ser terminado, enfim... O meu estado 'alfa' de sono absoluto me deixou meio filosófica, acho que Drummond ou Vinicius, ou algum carinha bom de caneta, me deu aquela encarnada por trás! Pena não ter continuado... tava qse chegando lá. Mas deixe-me mostrar as coisas que adoro escrever quando me vem essas inspirações do além.

Acabo de acordar de uma noite que não dormi e já me vejo obrigada a ir à rua. O frio atrapalha minha respiração, mas sigo em passadas vigorosas para aquecer as coxas nuas sob a saia curta. Gosto de caminhar pela manhã, antes de dormir, a sensação é que nunca vou me cansar por mais que eu ande e por mais força que empenhe nisso.
A solidão já não me parece mais tão ruim, devo ter me convencido que minha sina é estar sempre longe de quem eu amo, aonde quer que eu esteja. Saudade.
Os rostos passam sem me trazer qualquer lembrança, Tão vazios quanto o meu para eles.
As únicas coisas que me acompanham são minha incansável volúpia e as lembranças instintivas dos movimentos de poi na sacola.


Dae jah acabou minha inspiração... isso saiu na agenda quando voltei...pena q, como disse, não consegui continuar. Isso me lembra que devo voltar a escrever meu livro, devo tbm postar os capitulos já escritos, me cobraram.
Bem... acho q vou finalizar esse post...
Viram como ultimamente num tenho mais certeza de nada?!
Mas enfim...
É minha excentrica mente!
Adios!